Obras causam desapropriações e invisibilidade de famílias

Se não estiver vizualizando a galeria de imagens acima, utilize os navegadores Internet Explorer ou Firefox.

Aberta durante o governo de Juscelino Kubitshek para dar acesso à região da Pampulha, a Avenida Antônio Carlos vem passando por um processo de duplicação em três etapas desde 2004. A primeira etapa se deu com a abertura da trincheira da Avenida Santa Rosa indo da Rua Viana do Castelo até a Rua Aporé. A segunda compreende o trecho entre a Rua dos Operários e o complexo da Lagoinha. Por fim, tem-se a duplicação da Avenida Pedro I em continuação com a da Avenida Antônio Carlos, resultando em um alargamento total das obras em 3,9km e uma soma de aproximadamente R$ 190 milhões em investimentos do Governo federal e estadual em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte. Faz parte do projeto ainda a construção de oito viadutos e a implantação do BRT (Bus Rapid Transit), sistema otimizado e exclusivo para o transporte coletivo.

Para além da perspectiva de facilitar a mobilidade e a fluidez do trânsito entre a Pampulha e o Centro, onde circulam cerca de 85 mil veículos diariamente, as obras são fruto de uma preparação da cidade para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 que terá jogos realizados no Mineirão, enquadramento bastante presente na cobertura dos veículos jornalísticos. Somado aos transtornos do trânsito, à mudança na paisagem, às consequências para o comércio local e imobiliário, destaca-se ainda os 250 imóveis que foram desapropriados da região para efetivar a duplicação da avenida.

Investigar como a mídia regional se posicionou a respeito do assunto é fundamental para entender parte das implicações positivas ou não das obras que afetam a população. É possível afirmar que a cobertura se manteve entre dois eixos principais: os transtornos no trânsito causados pelas interdições das obras e os vultosos investimentos alocados para a conclusão do projeto. Constantemente se faz referência, nos canais jornalísticos, à aproximação da Copa do Mundo e do quanto o trânsito no local se tornou lento e caótico. A desapropriação das famílias que residiam nas localidades praticamente não ganha espaço e visibilidade nas matérias, ainda que seja um assunto de grande relevância no processo e que deveria ter sido melhor abordado pelos jornais online. Percebe-se ainda pouco espaço dedicado à fala de cidadãos (não especialistas) nas matérias que só aparecem eventualmente, mesmo que estes constituam a maioria da população diretamente afetada.

Nesse sentido, o Storify abaixo oferece um panorama da cobertura que jornais regionais, blogs e sites oficiais fizeram durante o processo. Clique na imagem abaixo e confira!

 

storify6-300x180

 

Reportagem

Míriam A. Santos

Etapas desta publicação

Proposta
Desenvolvimento

5 comments

  • Geane Alzamora

    Olá Míriam,
    boa matéria, boa perspectiva de cobertura. Acho, porém, que o título poderia ser melhorado, considerando uma visada mais “jornalística” . O texto de abertura está muito bom, a edição do material coletado também.
    Geane

  • Vintage Prom Dress

    I have been surfing on-line greater than three hours as of late, yet I never found any attention-grabbing article like yours. It is pretty price enough for me. In my opinion, if all site owners and bloggers made excellent content material as you did, the web will be a lot more helpful than ever before. ”Dreams have as much influence as actions.” by Stephane Mallarme.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing