A cultura popular no trabalho dos mineiros

PROPOSTA +

[ Proposta ]

Um passeio pelo Museu de Artes e Ofícios, Mercado Central e Museu das Minas e do Metal

O trabalho incessante sempre esteve nas raízes do povo mineiro. E do trabalho nasceu também uma cultura popular específica dos moradores das Minas Gerais. As repórteres e investigadoras Ana Rodarte, Débora Helena e Lorena Lima querem explorar o acervo do Museu de Artes e Ofícios, o Mercado Central e o Museu das Minas e do Metal em busca de pistas da cultura proveniente do trabalho em Minas Gerais.

O Museu de Artes e Ofícios está localizado na Praça da Estação, em Belo Horizonte. Abriga e difunde um acervo representativo do universo do Trabalho, das Artes e dos Ofícios dos mineiros, um lugar onde é possível compreender as origens e evoluções de todos os ofícios populares. Nele, estão expostas ferramentas, utensílios, máquinas e equipamentos diversos que, individualmente ou em conjunto, conduzem cada visitante a uma identificação com o universo do trabalho ali referenciado. Já o Mercado Central abriga, desde 1929, o espaço para o comércio de alimentos que abasteciam uma população inicial de 47 mil habitantes. Hoje o Mercado Central é o principal ponto de troca de ervas e iguarias tradicionais mineiras, que com o passar dos anos, expandiu seu negócio para o comércio de artesanato e de comidas típicas, tornando-se um ponto turístico da capital. O Museu das Minas e do Metal, por outro lado, conta a história de duas das principais atividades econômicas de Minas Gerais: a mineração e a metalurgia. O local trata destas atividades sobre uma perspectiva histórica, oferecendo 18 salas do Museu para apresentar o universo dos metais, minerais e de seus componentes. São ao todo, 44 atrações sobre o tema, sendo 11 dedicadas às principais minas do Estado. Uma atração peculiar é a “Mina de Morro Velho”. O local resgata o passeio de Dom Pedro II e da Imperatriz Teresa Cristina à Mina de Morro Velho, em Nova Lima. Teresa Cristina foi primeira mulher a adentrar em uma Mina, já que pelos contos populares, a presença feminina trazia azar aos trabalhadores. Através de um elevador virtual que desce até 2450 metros de profundidade, o visitante adentra neste marco histórico na companhia dos monarcas.

Proposta da matéria
A intenção deste trabalho é discutir a cultura popular proveniente dos diferentes ofícios realizados pelos mineiros, desde a formação do Estado de Minas Gerais. A ideia é resgatar a história e falar das influências desta cultura popular para a população atual.

Perguntas
1) Qual “tipo” de trabalho é melhor representado em cada um desses três locais? Como são feitas as representações do trabalho?
2) Como eram, no passado, as relações de trabalho no Mercado Central? Quais transformações aconteceram, neste âmbito? Ainda prevalece no Mercado Central a relação de trabalho (comprador e produtor) de antigamente? Quais são as relações de trabalho presentes no Mercado Central? Que personagens poderiam exemplificar a rotina de trabalho no mercado?
3) De que forma o Museu de Artes e Ofícios retrata a história do trabalho no Brasil? Os visitantes são instigados a procurarem mais informações sobre os ofícios? Há identificação por parte dos visitantes com os retratos de ofícios?
4) Qual a ordem de visitação mais prática para quem quer “ganhar tempo”? Quais são as atrações mais visitadas nos espaços? E qual é o roteiro indicado para quem possui mais tempo?
5) Qual seria a possível relação entre os principais aspectos dos três lugares?
6) Os locais em que eles estão instalados são adequados para o público que desejam “atingir’’? Há estrutura adequada para os públicos que possuem algum tipo de deficiência física possam usufruir das exposições?
7) De que forma o Museu das Minas e do Metal retrata a história? Quais são as propostas de museografia do local? Como o conteúdo multimídia conduz a visitação do público?
8) Os locais possuem atrativos para a visitação do público infantil?
9) Quais são as estratégias dos locais para atrair público?
10) Minas é um estado cuja gastronomia é um grande atrativo para os turistas. Que pratos típicos podem ser associados à visitação dos lugares? Lembrando que eles têm de estar dentro da faixa de gastos proposta (R$50,00).
11) Quais são as formas de acesso aos espaços? Os espaços possuem conteúdo no web? Os espaços produzem conteúdos exclusivamente para a web?
12) Os espaços promovem eventos sazonais (debates, shows, recitais..)? Quais podem ser oferecidos como atrativos? Qual é a agenda de eventos dos espaços?
13) Os espaços recebem novas exposições? Se sim, quais? Qual é a agenda de exposições dos espaços?

Fontes

Museu das Minas e do Metal: Telefone: 31 3516-7200
E-mail: contato@mmm.org.br
Site: www.mmm.org.br

Museu de Artes e Ofícios: 31 3248-8600
E-mail: info@mao.org.br
Site: www.mao.org.br/

Mercado Central: 31 3274-9434
Email: www.mercadocentral.com.br/contato
Site: www.mercadocentral.com.br

Museu Histórico Abílio Barreto [pesquisa de imagens e documentos]: (31) 3342-1268
Email: contato@amigosdomhab.com.br
Site: www.amigosdomhab.com.br/

Freesound.org [pesquisa de áudios para uso não-lucrativo]
Site: www.freesound.org/

Portal da Prefeitura de Belo Horizonte [ para consulta de mapas, roteiros]
Site: www.belohorizonte.mg.gov.br/

Guia VejaBH de Restaurantes,Bares e Comidinhas [orientações para sugestões de gastronomia]
Site: vejabh.abril.com.br/comer-e-beber/comidinhas/

Cláudia França, professora doutora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Fonte sobre as inovações de museografia utilizadas pelo Museu das Minas e do Metal. O grupo já possui formas de contato.

Fontes in loco: as fontes encontradas nas visitas aos locais. Procuraremos, na abordagem dos entrevistados, por informações sobre pratos típicos, aspectos da rotina, aceitação das exposições, etc.

Recursos de linguagem
O grupo pretende utilizar áudios demonstrativos, para que o leitor-ouvinte possa assimilar o ruído dos ambientes de trabalho retratados pelo grupo (mineração, artesanato, ofícios extintos). Fotografias serão um recurso largamente utilizado, uma vez que pretendemos ressaltar o aspecto físico dos espaços como um atrativo para os turistas. O grupo ainda pensa em formas trazer ao leitor explicações breves sobre as formas de trabalho retratadas nos museus: infográficos ainda se mostram como as melhores alternativas. Imagens de arquivo também serão um recurso importante para construção dos posts, uma vez que a proposta de trabalho está ligada à memória. Para isto, utilizaremos o banco de dados do Abílio Barreto e outros que ofereçam este tipo de conteúdo gratuitamente. Desta forma, trataríamos os conteúdos dispostos nos museus de uma forma dinâmica, oferecendo ao leitor informações suficientes para que ele tenha a curiosidade de ir até os espaços e obter mais conhecimentos sobre o tema. Vídeos também serão utilizados, uma vez que se provam eficientes em fornecer informações a um leitor que disponha de pouco tempo.
A ideia é que imagens e áudios se relacionem, fornecendo um conteúdo multimídia e atrativo para os leitores e potenciais visitantes dos espaços, apelando para diversos sentidos. O usuário não teria acesso às informações completas somente ao acessar o vídeo, o áudio ou a imagem. Os recursos funcionarão de maneira conjunta e complementar. Ainda não realizamos buscas por vídeos que possam ilustrar as postagens, uma vez que dependemos do conteúdo das postagens para iniciarmos as buscas por imagens.

Equipe

Ana Carolina Rodarte, Débora Helena Costa, Lorena Lima

Etapas desta publicação

Desenvolvimento
Produto

5 comments

  • Geane Alzamora

    A ideia é interessante, mas não entendi a relação com o tema BH até R$ 50,00, que integra o mapeamento proposto neste primeiro exercício de experimentação de linguagem. É preciso especificar também as plataformas que serão usadas e como.
    Geane

  • Paula Castro

    A proposta é interessante, mas em que plataforma vocês pensam em juntar todos essas ferramentas de mídia?

  • luanafms

    Muito legal a proposta, mas não entendi como seria a proposta de produção final.

  • barbarasilva

    Acho interessante a proposta do grupo, compreendo os recursos que pretendem utilizar para apresentar o resgate histórico, mas não consegui identificar exatamente qual será o produto final. Será um conjunto de reportagens especiais hospedadas no Labcon? Apenas uma reportagem?
    Tenho um pouco de receio quanto ao volume de conteúdo que o grupo terá no final da pesquisa e como vai apresentar esta informação ao público de forma atrativa. Como os vídeos, áudios e imagens vão se relacionar?
    Acho uma proposta bastante interessante, mas ao final da pesquisa o grupo terá material suficiente para criar algo como uma exposição digital que relacione as três atrações. Acho importante que consigam definir o formato como pretendem apresentar esta informação e atrair pessoas para realizar o roteiro.