A rotina da manifestação

 

 A Praça da Liberdade é o lugar de lazer preferido de muitos cidadãos

A Praça da Liberdade é o lugar de lazer preferido de muitos cidadãos

Localizada no coração de Belo Horizonte, a Praça da Liberdade sempre foi símbolo do Estado na cidade. Construída na época da fundação da capital, a praça já abrigou em seu entorno o governo de Minas Gerais no Palácio da Liberdade e várias Secretarias de Estado. Por causa desse valor simbólico, a praça foi e continua sendo espaço de manifestações e protestos políticos. Recentemente, os movimentos políticos que criticam o governo de Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores (PT) têm usado a praça como o palco principal de seus protestos à favor do impeachment da presidenta, que têm reunido uma grande quantidade de adeptos. Além desses, outros movimentos ligados a diferentes causas também ocupam a Praça da Liberdade para defender suas pautas.

Os homens de limpeza precisam ocultar todos os rastos das manifestações a favor do impeachment

Os homens de limpeza precisam ocultar todos os rastos das manifestações a favor do impeachment

Só que protestos não ocorrem todo dia e a praça, na maior parte do tempo, é ocupada por uma diversidade de pessoas por uma ainda maior diversidade de propósitos. Atletas amadores podem ser vistos correndo pelas suas calçadas, mães brincam com suas crianças e trabalhadores autônomos ocupam este espaço público. Quem trabalha ao redor descansa por ali até o fim do horário de almoço e há os que usam a praça para o próprio trabalho, como as babás, os funcionários da limpeza urbana, os artesãos e os vendedores ambulantes.

O vendedor de pipoca, André Luiz Fagundes conta que vende mais nas manifestações e que no dia seguinte a praça já está de volta ao normal. “Sujeira praticamente não tem”, disse o vendedor. Já o casal Waldrin Venâncio e Vanessa Araújo tem outra percepção “Muito ódio e muita sujeira”, disse Vanessa sobre a condição que os manifestantes deixam a praça. O casal não concorda com as manifestações contra o impeachment e defende que o movimento é golpista.

 

De dia, se pode ver todo o tipo de esportes

De dia, se pode ver todo o tipo de esportes

 

Pablo veio da Argentina e está em Belo Horizonte há um mês. Ele também discorda de André, mas quando fala sobre a venda de seus produtos artesanais. De acordo com o argentino, os manifestantes à favor do impeachment não se interessam por seus produtos. Ele defende que quando os manifestantes defendem a esquerda, eles são mais gentis. “Muda muito. O pessoal de direita não quer ver gente como nós, artistas de rua. É diferente dos manifestantes de esquerda, que são mais a favor do povo.”

 

Muitos frequentadores se sentem incomodados pelas manifestações da direita

Muitos frequentadores se sentem incomodados pelas manifestações da direita

Lua Luz, também artesã, conta que presenciou duas manifestações de teor bem diferente em um período de quatro dias. Ela compara as manifestações de 8 de março, pelo dia da mulher, e a de 13 de março, à favor do impeachment. “Foi engraçado que foi 4 dias de diferença. Em um as mulheres, se não levavam, elogiavam o nosso trabalho, conversava com a gente, perguntavam. Distribuíam panfletos e entregavam pra gente. Na outra, distribuíram panfletos e entregaram só pro ‘cidadão de bem’. A gente não era visto como cidadão, como ser pensante”.

 

 

As opiniões divergentes sobre o tema servem para ilustrar não somente a situação da praça, de diferentes vivências e interpretações do que acontece no local, como também mostra o sentimento do brasileiro em relação a turbulência política do momento. O sentimento de que algo está acontecendo paira no ar, mas nem todos sabem ao certo o que trás o vento.

No dia seguinte a praça já está quase de volta ao normal

No dia seguinte a praça já está quase de volta ao normal

Alguns acreditam em mudança sem saber o que vem a seguir, como que tomados por um espírito aventureiro, já outros são cautelosos por enxergar o que pode vir a acontecer. O que todos sabem é que os tempos mudaram, mas a Praça da Liberdade continua sendo palanque para diversas vozes.

 

 

Ouça a matéria.

 

 

Crédito das fotos: Patrick Maia

Equipe

Patrick Maia, Rodrigo Carvalho e Maike Wiechert.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *