A violência contra a mulher no contexto de homicídios no Brasil

Tema: Comparação da variação da violência entre os estados da região Sudeste e o aumento do homicídio entre mulheres.

Foco: destacar o panorama da violência em MG e dentro deste contexto, dedicar atenção à violência contra mulheres.

Proposta: Considerando as informações do Mapa da Violência, pretendemos analisar a variação do índice de violência nos estados que compõem a região Sudeste e destacar a questão de violência de gênero contida nos dados. A abordagem se justifica pela alta variação ocorrida nos índices de homicídio nestes estados, além da alta concentração populacional da região (cerca de 80 milhões de pessoas), que representa grande parte dos habitantes de áreas urbanas do Brasil.

A opção por traçar um panorama dos homicídios totais nos estados e, posteriormente, produzir um infográfico sobre a violência de gênero – destacadamente os atos cometidos contra mulheres – é uma tentativa de posicionar o feminicídio no quadro global da violência no país, uma vez que as mulheres compõem, segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aproximadamente 51,5% da população brasileira.

Posto isso, pretendemos fazer três infográficos interligados: os dados da violência em MG em números relativos nos anos de 2009 a 2011; a comparação da violência total entre os estados da região sudeste no mesmo período; e a exposição dos dados de homicídios femininos como forma de verificar como este tipo de crime está posicionado em relação ao número total de homicídios cometidos dentro do estado.

Perguntas:

Quais são as taxas globais de homicídios cometidos em Minas Gerais em relação à taxa nacional?

Qual a variação percentual da taxa de homicídios em MG dentro do período analisado? Houve aumento ou diminuição?

Onde MG está posicionado em relação aos demais estados da região sudeste?

Qual a situação da violência contra a mulher em comparação com o contexto dos dados registrados no estado de MG, da região Sudeste e do Brasil?

Recursos: Para o primeiro gráfico, usaremos os gráficos com pictogramas, já que se trata de uma visualização de dados de natureza não comparativa, mas apenas demonstrativa. O segundo gráfico exige uma apresentação que leve em conta as seguintes variáveis: ano de levantamento dos dados e taxa de homicídios em cada estado e no país. Para tal, decidimos apresentar um gráfico de barras, que permitem um paralelo mais claro e definido sobre os dados apresentados. Por fim, o último quadro também trará uma perspectiva comparativa, uma vez que pretende situar o feminicídio dentro do contexto global apresentado anteriormente. Para esta visualização, planejamos um gráfico de setor, já que pretende-se demonstrar como a violência contra as mulheres está contida dentro de um contexto geral da violênciana região sudeste e no Brasil.

Equipe

Luana Edwiges, Paulo Henrique dos Santos e Rafael Amaral

Etapas desta publicação

Desenvolvimento
Produto

11 comments

  • Luísa

    A divulgação é bastante pertinente, levando em conta a atual transição no Brasil em relação a violência contra mulher. Dados precisos são necessário para conscientizar que o problema é grande e precisa de uma atenção maior da população. Acho interessante estender o círculo de pesquisa além de Minas Gerais, para justamente trabalhar mais a conscientização.

  • Carlos dAndréa

    Pessoal, acho que vocês têm um bom ponto de partida (violência contra mulheres), mas podem recortar um pouco mais a pauta, deixando mais claro que abordagem vão enfatizar (MG? Sudeste? Nacional? etc)

  • Samuel Andrade

    A qeustão do gênero é sempre muito interessante, e este recorte dos dados mostra-se muito pertintente. Excelente proposta.

  • Paulo Netto

    A proposta é bastante interessante e desperta a curiosidade de, como dito acima, posicionar o feminicídio no contexto da violência do país.
    Uma sugestão ao grupo é, se possível (e disponível no Mapa da Violência), analisar fatores relativo ao homicídio, como por exemplo analisar se os crimes foram passionais ou envolveram algum outro tipo de violência.

  • Melissa Gomes

    Muito legal a proposta de vocês! Inicialmente meu grupo se interessou por tratar da questão do gênero, mas não observamos essa possibilidade de recorte.
    A ideia dos gráficos interligados orienta a leitura e imagino que trará dinamismo ao trabalho. Uma sugestão seria dar uma olhada no estudo sobre violência relacionadas a crianças e adolescentes, feito em 2012 (disponível no site da CEBELA), especificamente da página 70 à página 73, que trata da violência sexual em meninos e meninas. Talvez vocês possam aproveitar alguns dados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *