Análise dos fluxos de interação e manutenção do engajamento das páginas do Masterchef Brasil no Facebook e Instagram

Página do Facebook: Masterchef Brasil

Perfil no Instagram: masterchefbr

Período analisado: 08/05/16 a 18/05/16 no Facebook e 11/03/16 a 18/05/16 no Instagram

 

O programa Masterchef Brasil é um talent show de culinária brasileiro, adaptado a partir do programa homônimo exibido pela BBC de Londres. O show é transmitido todas as terças-feiras, à partir das 22h e 30min e já está em sua terceira temporada, que começou no dia 15 de março de 2016. Atualmente, a média de audiência é de 4,5 pontos, oscilando entre a terceira e quarta posições no ranking de audiência televisiva.

 

Neste documento será feita uma análise de interação e engajamento da página oficial do Facebook com seus seguidores, identificar os desafios de manter bons números quando não há exibição do programa e possíveis controvérsias entre os usuários. Para tanto, foram coletados os últimos 50 posts no Facebook, com 79.169 interações de 35.806 usuários diferentes, utilizando a ferramenta Netvizz.

1

Aplicada a diferenciação por engajamento.

Analisando o gráfico geral, com a atribuição em engajamento – quantificação do número de likes, comentários e compartilhamentos, é possível perceber que uma grande quantidade de usuários tem o hábito de interagir com as publicações da página frequentemente. Pelo menos 37% dos usuários interagiram mais de uma vez com publicações diferentes. Os grupos mais distantes do centro do grafo, representados em cor rosa, representam os usuários que, até a data da análise, haviam interagido uma única vez com a página. Um ponto interessante a ser observado é que estes grupos – em sua grande maioria – apenas interagiram em postagens realizadas nos dias em que há transmissão do programa (terças-feiras), analisando as próprias publicações. Curiosamente, o post com maior número de curtidas é de uma data comemorativa relacionada à temática do programa: Dia do Cozinheiro. Os administradores aproveitaram bem o timing para gerar ainda mais buzz entre os seguidores.

2

Post com maior número de curtidas representado pelo círculo maior, no canto superior esquerdo. Aqui foi aplicada a diferenciação por número de likes.

Quanto à frequência de postagens no Facebook, é possível perceber no gráfico abaixo que o maior número de postagens acontece nos dias em que há exibição do programa – 10 e 11 de maio (porque o programa terminou após a 0h) e 17 de maio. Não há contabilização do restante do dia e nem do dia seguinte pois a extração de dados foi realizada antes da exibição.

3

Gráfico referente à quantidade de postagens por dia da semana.

Durante a semana a frequência de postagens diminui e se mantém com uma média de 4 publicações diárias até o dia de exibição do programa, onde começa a aumentar até chegar ao ápice. No gráfico abaixo é possível observar como a quantidade de likes também varia de acordo com a proximidade da transmissão do programa.

4

Nos dias em que não há exibição o número de likes se mantém estável, com uma média diária de 1200 curtidas.

Os picos de likes acontecem antes da transmissão, caem drasticamente durante o programa, e voltam a subir logo com as publicações que veem em seguida. Acredito que isso aconteça porque os usuários não estão presentes no Facebook durante a exibição, o que demonstra que a rede social não é uma rede “imediatista” como o Twitter, por exemplo. As postagens que não acontecem nas terças-feiras são, normalmente, melhores momentos do último programa (como no exemplo) ou declarações dos participantes que já haviam sido transmitidas pela televisão.

Outro ponto a ser observado é que as publicações se dividem entre fotos, links para o site da emissora do programa ou vídeos, sendo que as fotos representam 42% do conteúdo publicado, os vídeos os mesmos 42% e os links compõem os 16% restantes. Apesar de as fotos contabilizarem mais likes, os vídeos possuem uma visualização gigantesca (se comparado com os números do Facebook) que chega a ultrapassar os 50 mil. Não se sabe se a reprodução automática do Facebook contribui para esse grande número, tendo em vista que basta que o vídeo esteja centralizado na timeline do usuário para que ele comece a ser reproduzido, mesmo que sem som.

5

Diversidade das publicações feitas pela página. A primeira coluna é a de links, a segunda de fotos e a terceira de vídeos.

6

Likes distribuídos por tipo de post: links, fotos e vídeos.

Aplicando a modularidade é possível perceber um ponto em comum entre os usuários que interagem mais com as fotos (extremidades do grafo, cores rosa e azul claro, predominantemente) e os que interagem mais com os vídeos (centro do grafo, cinza, roxo e lilás). Além disso, cabe observar também uma relação entre os usuários que só interagem com publicações nos dias de transmissão (verde folhagem) e os que interagem mais frequentemente (azul piscina e verde água).

7

Percebe-se que os atores que interagem com os vídeos são mais ativos na página e já tem o hábito de acompanhar as publicações.

Uma crítica recorrente que muitos usuários fazem ao programa é a maneira como os apresentadores são rudes e grosseiros com os participantes, o que gera polêmica entre aqueles que acham que faz parte da “pressão” do programa e aqueles que acham desnecessário e desrespeitoso. Em uma das publicações analisadas, através dos comentários é possível perceber essa diferença de opinião dos seguidores.

8

O comentário da Cibele Boaventura foi o mais curtido da publicação, sendo contra a falada grosseria dos chefs. Os demais comentários seguem uma média de 80 likes e variam entre uma a cinco respostas. A página em si não entra nas discussões, o que é coerente, já que nesse caso as críticas foram para os apresentadores.

Toda semana um dos participantes é eliminado do programa, o que também gera polêmica entre os fãs. Muitos não concordam com as decisões e até mesmo com os critérios utilizados pelos chefs na hora da escolha. Essa postagem sobre a eliminação de um dos participantes gerou discussões entre a forma que a eliminação ocorreu e também divergências sobre demais participantes que, segundo os fãs, deveriam ter saído.

9

Mesmo quando a polêmica questiona a transparência e os critérios do programa, a página não se posiciona nem se retrata.

Os comentários de outros usuários geralmente não envolvem muitos debates, limitando-se apenas a concordar com quem comentou primeiro.

Instagram

No Instagram, no período analisado, foram extraídos 8717 usos para a tag #masterchefbr, realizados por 2756 usuários diferentes. A coleta aconteceu entre os dias 11/03/2016 e 17/05/2016. O período de coleta de dados do instagram começa exatamente quatro dias antes da estreia da terceira temporada do programa. De acordo com o gráfico abaixo é possível perceber que a quantidade de postagens com a hashtag começa antes da estreia do programa, de forma bem tímida, com apenas 25 registros no dia 11 e segue essa média até atingir 94, no dia da estreia. O número explode para 622 no dia 16, após a estreia, mas como o programa termina depois da meia noite, é auto explicativo.

10

Número de usos da tag atinge seu máximo na estreia do programa. Os demais picos acontecem nos dias de exibição.

Outro ponto interessante a ser analisado é que, com o passar do tempo, as postagens feitas quando não há exibição do programa aumentam gradativamente, começando com 41 no dia 17/03 e chegando a 124 no dia 17/05. Isso leva a crer que, conforme o programa aumenta sua audiência e o seu alcance na mídia, as pessoas passam a fazer referência a ele com mais frequência. Ainda assim, os dias com mais postagens são as terças-feiras.

Existem dois usuários com o maior registro de publicações, o oficial, @masterchefbr, e um “perfil fã”, @masterchefbrasil. Importante observar que o oficial tem cerca de 480 mil seguidores enquanto o fã tem 274 mil. Muitas postagens do perfil fã são apenas cópias das postagens do oficial e graças a isso e também à url parecida, acredito que muitos seguidores podem fazer confusão e acabar seguindo um perfil diferente daquele que tinha a intenção.

111

12

O Instagram oficial, em comparação com a página oficial do Facebook, possui uma média maior de curtidas nas suas postagens, principalmente no que diz respeito aos vídeos, apesar de a frequência de posts ser menor. Acredito que isso se dê pelo fato do aplicativo do Instagram ser infinitamente mais leve que o do Facebook e ainda consumir menos dados de internet.

Analisando as próprias postagens no Instagram oficial é possível perceber um número de interações muito maior do que no Facebook, por parte dos usuários. A página, no entanto, interage muito mais com os seus comentaristas através do Facebook do que no Instagram.

Finalmente, a partir dessa análise, foi possível inferir que o maior desafio enfrentado pelos dois perfis oficiais é o mesmo: manter um certo nível de engajamento com o público nos dias da semana em que não há exibição. Entretanto, a quantidade de posts aumenta significativamente nas terças-feiras, causando um “boom” de interações. Existe ainda uma diferença clara na forma com que a persona Masterchef Brasil se porta no Facebook e no Instagram. A primeira é utilizada como um canal de divulgação dos programas, dos melhores momentos e também como canal de interação com o usuário. Já a segunda é utilizada, em sua maioria, como chamativo para os programas e bastidores. A forma como os usuários lidam com as tags também varia muito, sendo que a maior parte usa o #masterchefbr em suas próprias criações culinárias, outros reproduzem os famosos “memes” e, em menor parte, divulgam o próprio programa.