BH: explorando a pé opções de lazer com baixo custo

DESENVOLVIMENTO +

[ Descrição do processo ]

Desenvolvimento da proposta e reflexões sobre a linguagem

O objetivo de nosso trabalho, desde seu início, foi o de utilizar um mapa que mostrasse o trajeto feito a pé por um personagem durante um dia em BH. Esse personagem seria um dos integrantes do nosso grupo, embora tudo fosse feito em equipe.

Inicialmente pensávamos em utilizar diversos recursos de linguagem para descrever cada lugar em que esse personagem entrasse ou se interessasse de alguma maneira. Por exemplo, no local em que ele almoçasse faríamos um vídeo, tiraríamos fotos de um cinema, gravaríamos o áudio de uma exposição de obras de arte, e assim por diante.

Entretanto, antes mesmo de ir à rua, percebemos que seria mais interessante tornar a matéria uma cronica, dando mais foco a experiência. Para alcançarmos nosso objetivo, o essencial seriam fotos, uma boa descrição das impressões do personagem ao longo do seu percurso e uma boa utilização de mapa para situarmos bem a experiência.

Mais a frente, o grupo chegou a conclusão que faltava ainda algo para que a matéria fosse mais interessante e permitisse a participação dos leitores. Para solucionar esse ponto, chegamos a conclusão que seria bacana criar um espaço para que pessoas que já foram aos locais, pelos quais o personagem passou, também fizessem um relato de sua experiência.

Colocando em prática

Para colocar a ideia em prática, nos encontramos no hipercentro da cidade, no dia 8 de março, e seguimos um roteiro nas imediações que pudesse ser realizado a pé, com a restrição de gastarmos no máximo R$50 – o que foi proposto na disciplina.

Ao escolher os locais pesquisamos a localidade, gratuidade da entrada e baixo custo investido. Durante as discussões do grupo, percebemos que o centro de BH foi a melhor região para realizar um percurso a pé. Em conjunto fizemos uma lista de possíveis lugares, procuramos os sites oficiais e decidimos aqueles que melhor se enquadrariam na nossa proposta. Apesar de pré-estabelecido, abrimos a possibilidade de modificações no roteiro caso encontrássemos outros atrativos ou se não houvesse programação para aquele dia nos locais que havíamos escolhido.

O trajeto se iniciou com um almoço no restaurante “Xok Xok”, localizado no edifício Maleta. Depois seguimos para o Sesc Paladium, em que observamos os painéis do Projeto Parede e visitamos a exposição Adelícia Amorim. Seguimos para o centro de Arte Contemporânea e Fotografia, em que havia o trabalho do fotografo Dilmas Guedes. No Palácio das Artes, encontramos uma opção diferenciada, com o “Leilão de Arte 1,99”. Para terminar o dia, nos dirigimos ao Cento e Quatro, que abriga exposições e sessões fílmicas. Tiramos fotos dos locais e do percurso.

A partir do material que conseguimos, iniciamos a criação do mapa com as informações oficiais e relatos de nossa experiência, com impressões e dicas. Como ferramenta, vamos utilizar o google maps. Nossa escolha foi orientada pela facilidade de acesso e por atender nossas necessidades técnicas, mas acabamos tendo problemas para tornar o mapa público, de forma que possa ser utilizado por todos. Esse problema foi solucionado durante a aula da disciplina, no dia 18 de março.

Equipe

Bianca Martimiano, Laiza Monique e Pedro Lucchesi

Etapas desta publicação

Proposta

4 comments

  • Anna Luísa Silveira

    Eu acho muito importante a questão colaborativa que permeia a maioria dos trabalhos. O roteiro a pé também é algo que me atrai, uma vez que moro no centro e posso realizar facilmente o trajeto feito. Também gosto muito da abordagem pela crônica, o que diferencia um pouco dos outros trabalhos.

  • Ana Rodarte

    Como deixariam claro o caráter de crônica na plataforma? A proposta me parece muito interessante e desafiadora, já que a crônica tem um caráter muito pessoal.
    Ao desenvolver o projeto com meu grupo, senti dificuldades de tornar o mapa mais atrativo e interativo. Creio que a ferramenta do Google Maps não é suficiente para uma plataforma que se proponha a criar um roteiro turístico, mas ainda estamos com o desafio de potencializá-la.

  • Geane Alzamora

    Oi pessoal,
    sugiro explicitar o que estava planejado, em termo de linguagem, porque nao foi possível desenvolver e as solucoes encontradas.
    Geane

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *