#ensaioBH: 3,10

Inconformada com o preço da tarifa e a péssima qualidade do transporte público de Belo Horizonte, durante os rotineiros momentos de sufoco dentro dos ônibus – com portas que não abrem (ou que ficam abertas por todo o tempo), com o calor de quando o ar-condicionado não funciona em um veículo sem janelas, quando um ônibus lotado não tem trocador e mal se consegue ver o motorista para entregar a ele o seu dinheiro, com o costume de ficar em pé, apertada entre várias pessoas, durante tempos e tempos depois de um dia de trabalho – sempre penso comigo mesma, em meio a suspiros, “3,10 por isso!”. Aqui, quis narrar um pouco da rotina desse transporte: nesse dia em questão, o ônibus parou por algumas vezes por algum problema do carro, a abertura automática das portas não funcionava e, por isso, colocaram-na no modo manual – a porta ficava aberta enquanto andávamos – e, é claro, no ônibus havia muito mais gente do que o recomendado.

Flávia Ruas

21 comments

  • Luisa Lanna

    Como já mencionado, também acho muito massa utilizar as fotos como uma forma de protesto. O registro fotográfico por guardar tantos resquícios com a realidade acaba sendo uma ótima ferramenta de denúncia! As fotos ficaram ótimas e cumpriram bem o seu papel!

  • Davidson Leite

    Gostei muito da ideia de aproveitar a narrativa fotográfica para protesto. Acredito que as fotos, ainda que não intencionalmente, acabam funcionando muito bem esteticamente. Gosto muito de alguns enquadramentos e adoro a foto da senhora se abanando, típico registro de fotografia de rua.

  • Beatriz Lobato da Silva

    Gostei da ideia de mostrar o cotidiano no transporte público aqui em BH. E achei legal ir além desse nível de denúncia sobre a lotação dos ônibus, que às vezes acaba por esconder a cara de quem está ali nesse ônibus lotados. O ensaio cria personagens que falam por si.

  • Nathalia Tameirão

    Muito legal essa proposta de denunciar o absurdo das condições do transporte, principalmente do MOVE, na cidade. Legal também você ter se atentato tanto pra grande quantidade de pessoas quanto pros defeitos dos ônibus. Talvez algumas fotos a mais ajudassem a fortalecer a gravidade do problema e deixassem a precariedade mais evidente.

  • Caio Santos

    Isto é uma denúncia que sempre é dita, mas sempre ignorada. Importante chamar atenção para o MOVE, mas também é interessante o destaque a luz e as cores. A luz, passando pela fresta, obviamente expondo o mal funcionamento, mas será que também não sugere que o paraíso celestial está o exterior, enquanto, internamente, é um inferno?

  • Carolina Resende

    O ensaio mostra um pouquinho da indignação de todos nós quando paramos pra pensar o quanto pagamos caro por aquilo que é nosso direito. E pior, pagamos caro e não temos qualidade.

  • Nicole Lima

    Excelente! As fotografias mostraram muito bem qual é a experiência e a sensação de estar no MOVE. Além disso, as fotos foram enriquecidas com o contexto fornecido pelo seu relato. Uma forma de protesto muito bem pensada e descritiva!

  • Karine Silva

    Quase todas as vezes que pego um ônibus em BH penso a mesma coisa. 3,10 por isso? Muito fácil se identificar com essa narrativa, muito legal a sua sessão.

  • Lucas Rocha

    Realidade mais que compartilhada no cotidiano da cidade. Gosto dos detalhes que para mim particularmente são sempre um foco de olhar durante as reflexões sem fim nas viagens em pé, sentindo calor e com medo das portas que têm vida própria.

  • marinanovais

    Quem anda de ônibus sabe dessas dificuldades cotidianas. E a discussão sobre a tarifa segue sempre pertinente!

  • lylianegoulart

    Interessante perceber como as fotos podem se tornar uma ótima forma de protesto, demonstrando exatamente todos sentimentos que nos invadem quando estamos – nada agradáveis- no transporte público de BH.

  • Luiza Lambert

    Ô, como esse tema tem que ser discutido! Realmente, somos desrespeitados diariamente com o transporte coletivo urbano, que ao invés de estimular seu uso, acaba nos empurrando a achar que precisamos de um carro. Bem pertinente, parabéns!

  • Ana Luísa Mayrink

    O ensaio funciona muito bem no sentido de trazer a tona objetos (ou, nesse caso, partes de um objeto) que já são tão corriqueiros que já nem reparamos nos mesmos. Além disso, destaca a questão sa inserção do BRT e suas implicações na cidade.

  • Victor Cordeiro

    O texto com certeza representa o sentimento de todo mundo que precisa pagar um preço caro pra usar um transporte tão precário. Gostei das fotos, elas retratam bem a realidade cotidiana de grande parte da população. Acho que o ensaio poderia ter ficado ainda melhor com mais fotos.

  • Ana França

    Ótimas fotos! O registro fotográfico deve ser sempre cúmplice da militância e do protesto, e o ensaio deixou isso claro. Excelente!

  • Lucas Vitorino

    É legal como o ensaio consegue mostrar a realidade dos cidadãos que precisam de utilizar o transporte público todos os dias, mais interessante ainda é ver como as fotos funcionam como um protesto mostrando a indignação quanto ao que é prometido pelo MOVE e o que realmente é ofertado.

  • Stella Nardy

    Você teve a manha em registrar pontos fortes que comprovam a péssima condição do transporte público de BH. Fotografar não apenas por fotografar, mas ter uma causa por trás de cada foto é muito bacana. Até mesmo no meio do caos, podemos encontrar maneiras de fazer um ensaio bem legal e esteticamente bonito.

  • Gabriel Amorim

    O que veio como solução já nasceu com muitos erros. Muito relevante essa crítica feita a partir do cotidiano das viagens. O MOVE precisa ser confrontado.

  • liviaaraujo

    Muito legal destacar esses pequenos absurdos pelos quais passamos todos os dias, colocando o ensaio como forma de discordância e se opondo ao nosso costume de aceitar como parte da nossa vida os defeitos do MOVE. Já passei por todas essas situações, e a cada dia parece que percebo mais um problema nesse sistema, em que falta manutenção e preoucupação com os passageiros.

  • Maria Dulce Miranda

    O MOVE realmente tem muitos problemas a serem resolvidos. Não tem uma viagem em que ficamos satisfeitos. Mostrar os erros do sistema é uma boa forma de protesto.

  • Millenne Ferrante

    Legal perceber um ensaio de fotos como uma forma de protesto também! E as fotos estão muito bem tiradas e essa iluminação na foto noturna me passa cansaço, final do dia, justamente a sensação de voltar pra casa depois de um dia de trabalho e estudo.