#ensaiobh “Nada invisíveis”

O centro da cidade de Belo Horizonte é um dos pontos da capital mineira mais ocupado por moradores de rua, tornando-se o cenário de cenas de descaso, esquecimento e indiferença. A narrativa fotográfica “Nada invisíveis”, busca dar visibilidade para pessoas anônimas e ignoradas pela sociedade, demonstrando que elas podem nos oferecer aprendizados com suas histórias de vida.

Lyliane Goulart

19 comments

  • Davidson Leite

    Não quero ser repetitivo, mas sou obrigado a fazer coro com os outros colegas que já comentaram: o tema é sensacional. Acho que outra grande vantagem é o fato de o ensaio não ter nenhum fim lucrativo e nem superexpor os fotografados. Esteticamente, no entanto, as fotos não conversam muito bem entre si.

  • Beatriz Lobato da Silva

    Trabalhos que nos mostram a população marginalizada que vive nas mesma cidade que nós sempre nos abrem os olhos. Gostei muito das fotos, principalmente por ver que muitos deles, apesar das condições em que vivem, tentam ser felizes.

  • Nathalia Tameirão

    Primeiro me encantei pelo tema e depois pelas fotos. Achei um trabalho belíssimo, que quebra preconceitos e mostra um outro lado dessas pessoas marginalizadas pela sociedade.

  • Ana França

    Deve ter sido uma experiência muito bacana fotografar essas pessoas. Apesar de não existir um padrão estético das fotos, há uma clara conexão entre elas. Muito bom!

  • Lucas Vitorino

    Muito bom como o ensaio dá visibilidade aos moradores de rua que em sua maioria são ignorados no cotidiano da cidade, as legendas são parte importante na composição do ensaio, gostei bastante de como foram usadas.

  • Ana Luísa Mayrink

    Excelente a ideia de trazer à tona sujeitos aos quais são relegados lugares e condições marginais, tornando-os protagonistas. Lembrei do trabalho de JR, que fotografa a careta de pessoas de periferia, imprime-as em grande escala e cola em lugares de grande circulação em Paris, inserindo o “marginal” num ambiente frequentado por pessoas de classes mais altas.

  • Luiza Lambert

    Achei o uso das legendas certeiro, uma quebra de preconceitos. As fotos estão lindas e sensíveis. Como foi sua aproximação? Parabéns, muito bom!

  • Luisa Lanna

    Gostei muito da maneira como as pessoas se mostram nas fotos. É comum encontrarmos em fotos que abordam o mesmo tema a reiteração de imagens que já possuímos sobre determinados agentes. É sempre muito enriquecedor quando o fotógrafo consegue mostrar (ou deixar mostrar) a alteridade do outro de forma a respeitar seu lugar e sua subjetividade.

  • Carolina Resende

    O mais legal das fotos é ver como as pessoas interagem com a câmera.

  • Caio Santos

    Não só as imagens são bem editadas, elas também mostram o trabalho de conversa e conhecer os retratados. Pela minha própria experiência, posso dizer que é um processo extremamente instigante.

  • Gabriel Amorim

    A imersão com toda certeza foi o ponto essencial, e o sucesso foi perceptível. A desenvoltura dos fotografados mostra que eles se sentiram realmente muito a vontade com você. Ótimo enfioque também. Essas pessoas passam muitas vezes despercebidos pelo nosso olhar. Muito bom

  • Lucas Rocha

    Simplesmente incrível Lyli! Acho maravilhoso como essa temática ainda oferece olhares tão distintos, poéticos e bonitos. Ótima escolha de filtros, personagens carismáticos e resultado impecável. Amei!

  • Victor Cordeiro

    Esse tema sempre nos traz aprendizados. Muito inspirador ver essas pessoas sorridentes, em meio ao abandono e à precariedade em que vivem. Me chamou a atenção na sua galeria as legendas das fotos. Gostei muito de você ter colocado o nome deles e falado um pouco sobre cada um. Isso dá sentido ao nome do ensaio, tirando-os da invisibilidade social em que estão inseridos.

  • Maria Dulce Miranda

    Gosto muito da abordagem das fotos. Colocar características pessoais nas fotos é interessante para o processo de individualização destas pessoas que, de tão invisibilizadas, acabam escondendo suas marcas pessoais.

  • Stella Nardy

    Sempre me interesso muito por trabalhos que seguem essa linha. O que está às margens da sociedade, o que passa despercebido a maior parte do tempo, mas sempre têm algo a nos dizer – verbalmente ou simplesmente pela fotografia, o que é ainda mais especial. Você captou muito bem isso!

  • liviaaraujo

    É interessantíssimo perceber o envolvimento da fotógrafa com os fotografados, a relação que transparece em seus sorrisos e relatos. As legendas dizerem seus nomes e um pouco de suas histórias mostra o esforço de reconhecê-los e não invisibilizá-los como constantemente é feito em nosso dia a dia. Alguns filtros casaram muito bem com a proposta, preto e brancos ou acinzentados. No entanto, achei que o envelhecimento de algumas fotos, com molduras e efeitos, tiraram um pouco do protagonismo dos personagens.

  • Flávia Ruas

    As fotos ficaram maravilhosas! Adorei como você coloca as características das pessoas nas fotos e como elas parecem à vontade em frente à câmera – provavelmente, isso veio da maneira como você as abordou.

  • Karine Silva

    Oi, gostei muito do seu trabalho! Imagino que a parte mais legal tenha sido a imersão, para que os fotografados pudessem se sentir a vontade para participar da sessão.

  • Millenne Ferrante

    Eu amo essa temática, inclusive tinha até pensado algo semelhante. Adoro dar voz a quem passa despercebido, que é “invisível” no dia a dia. Linda demais as fotos, passam uma sensibilidade incrível. É lindo ver como mesmo em condições vulneráveis e difícieis é possível ter amizade, alegria e fé na vida. Amei. :’)