Influencer marketing nas empresas

O marketing de influência já existia?

Antes de começarmos a tratar do marketing de influência nas empresas em tempos atuais, é importante entendermos que esse tipo de estratégia já existia no coração corporativo. Há um bom tempo os profissionais de marketing usam pessoas influentes para vender seus produtos e serviços, um exemplo forte são as celebridades. A novidade então é que com a ascensão das redes sociais e da internet, mais pessoas se tornaram influenciadores e a facilidade de engajamento cresceu bastante. Portanto, nesse novo cenário, a prática de influencer marketing torna-se moda.

 

Por que essa forma de divulgação tem sido tão usada pelas empresas?

A mágica por trás do negócio encontra-se na credibilidade que um digital influencer passa para seus seguidores – estes, geralmente se identificam com certo nicho, estilo ou segmento no qual o influenciador está inserido e, a partir disso, acredita que os hábitos de consumo dessa pessoa também podem ser os seus próprios. Quando a marca se identifica com esse segmento, a relação passa a ser de duplo ganho, colaborando assim para o investimento em marketing de influência.

Mas muitas empresas já aplicam essa estratégia?

Segundo uma pesquisa realizada pela Traackr and Top Rank Marketing – empresa americana focada em marketing, 43% das empresas dizem estar na fase experimental do influencer marketing. Outros 28% dizem que seus programas são táticos. Os números caem no B2B: apenas 15% dos anunciantes dizem ter um programa integrado em exercício.

Quais são as dificuldades de implementação do marketing de influência?

As dificuldades de implementação do marketing de influência se encontram em pilares como investimento financeiro, confiança e no entendimento da estratégia como um processo e não como uma ação.

A maioria das empresas, talvez por não confiarem em como trabalhar com influenciadores pode se encaixar no seu “mix de marketing”, acabam não colocando o seu dinheiro no lugar certo. Ainda de acordo com a pesquisa citada acima, a maioria dos profissionais de marketing gastam pouco dinheiro com influencer marketing por ano, o que acaba fazendo com que a prática do negócio se torne eventual e não estratégica.

É necessário que essas empresas entendam que o marketing de influência não é somente um rosto bonito e conhecido mostrando um produto recém-lançado na sua conta do instagram. A chave para o negócio encontra-se em estabelecer uma relação contínua com os influenciadores respeitados, que engajam e possuem uma audiência fiel. Dessa maneira, os esforços precisam ser direcionados para conectá-los fortemente com a marca ou empresa.

Um bom marketing de influenciadores está presente em várias áreas de uma organização, não só no marketing, mas nos Recursos Humanos e no pré e pós venda. Assim, ele acrescenta valor sobre a jornada do consumidor, não só no processo de divulgação.

 

Quais são os passos que uma empresa precisa seguir para implementar o marketing de influência?

Para iniciar um trabalho com um influenciador, a marca precisa antes de tudo conhecer muito bem seu público, bem como suas preferências, gostos, inclinações de consumo, etc. A partir disso, selecionam-se influenciadores que conversem com esse público e que possam se identificar com os pilares e valores da empresa.

Fazer um trabalho de quantificação e qualificação do influenciador é muito importante, ou seja, além de mensurar o número de seguidores, visualizações, curtidas e média de engajamento, também é preciso identificar a personalidade do influenciador, verificando suas qualidades, interesses e comportamento.

Outro passo encontra-se em criar um relacionamento, é quando o contato com o influenciador acontece, essa relação pode ser direta (geralmente mais eficiente) ou indireta – por meio de agências e assessores. Nesse contato, as empresas se apresentam, pedem por orçamentos, analisam mídia kit (material de divulgação do influenciador), negociam parcerias, entre outras ações.

Estudar a estratégia e estabelecer ações são práticas essenciais, é preciso avaliar o orçamento que a empresa possui a fim de definir as ações possíveis, por exemplo: patrocínio de websérie, patrocínio de viagem, publipost, oferecimento de produtos, etc.

Por fim, o passo de mensuração de resultados é necessário para entender se a estratégia está funcionando ou não. Essa quantificação pode ser realizada por meio do índice ROI (retorno sobre investimento), que permite saber quanto dinheiro a empresa está ganhando (ou perdendo) com cada investimento realizado. Além disso, a empresa deve analisar o tráfego no seu site direcionado pelo canal do influenciador, bem como o crescimento de comentários, cliques, compartilhamentos e verificar o número de vendas geradas através de códigos de desconto (se for o caso).

 

Fala aí uma empresa de BH que já utiliza o marketing de influência?

A MaxMilhas –  startup relacionada à venda de passagens aéreas – já utiliza o influencer marketing em suas estratégias de divulgação. A empresa investe em publiposts, busca parcerias com influenciadores por meio da oferta de passagens aéreas e utiliza celebridades para conferirem ainda mais credibilidade ao seu negócio. É uma área de marketing que ainda vem crescendo na empresa, mas já vem se mostrando benéfica e muitas vezes rentável.

A responsável por esse setor na MarxMilhas é a Ana Endlich, ela realiza os contatos com os influenciadores e/ou assessores, analisa orçamentos e estabelece parcerias. Segundo a Ana, nem sempre a estratégia dá certo, uma vez que influencer marketing não era aplicado de forma tão presente anteriormente na empresa. Dessa forma, testes são necessários e não há garantia de sucesso, apesar de que muitas tentativas já trouxeram um ótimo retorno para a marca.

 

Se interessou pelo funcionamento da estratégia de influencer marketing na rotina das empresas? Quer saber mais sobre como o público reage a esse tipo de divulgação? Então não perca os nossos próximos posts!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *