Mobilidade urbana na Copa: Nordeste

O Nordeste é a região que tem o maior número de cidades-sede da Copa do Mundo. São quatro municípios que receberão os jogos: Fortaleza, Natal, Recife e Salvador. De acordo com o Portal da Transparência – Copa 2014, os investimentos em mobilidade urbana na região estão, de modo geral, comprometidos. As informações do site indicam que Fortaleza e Recife estão no início de suas obras. Já Natal e Salvador sequer contrataram nenhum recurso para projetos na área.

Natal
Segundo o Portal da Transparência – Copa 2014, estava prevista a contratação de mais de R$ 440 milhões para a execução de projetos de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014 em Natal, capital do Rio Grande do Norte. O dinheiro, porém, não foi repassado à administração da cidade — e os projetos não foram executados.

A prefeitura do município, porém, assinou em dezembro do ano passado um contrato no valor de R$ 338 milhões com a Caixa Econômica Federal para viabilizar as obras. O investimento prevê intervenções no acesso ao Aeroporto de São Gonçalo do Amarante e no Corredor Estruturante Zona Norte/Estádio Arena das Dunas, além da implantação da Via Prudente de Morais e da reestruturação da Avenida Engenheiro Roberto Freire.

A Secretaria de Estado Extraordinária para a Copa do Mundo do Rio Grande do Norte foi procurada para prestar informações sobre a gestão dos recursos do município, mas até a conclusão da reportagem, o órgão não se pronunciou.

De acordo com a atualização da Matriz de Responsabilidades em março deste ano, Natal possui três das quatro obras de mobilidade urbana em curso. O novo plano viário para a Avenida Roberto Freire foi cancelado pois o projeto não ficaria pronto até o início dos jogos. Em visita à cidade, o ministro do Esporte Aldo Rebelo afirmou que as obras começariam a ser executadas em abril.

Veja abaixo o mapa com as informações dos projetos da cidade-sede:

[Se preferir, visualize o conteúdo no Google Maps.]

Salvador
No Portal da Transparência está indicado R$ 3,6 milhões, mas mais de R$ 19 milhões estão previstos para serem investidos em duas obras de mobilidade em Salvador, na Bahia. Junto com as obras da Estação de Metrô Cosme e Damião, em Recife, as intervenções soteropolitanas fazem parte do pequeno grupo que receberá investimentos não só locais, como também federais (que não estão estão somados ao montante do site). As duas são no entorno do Estádio Fonte Nova: uma de microacessibilidade e a outra de rotas de pedestres.

A primeira está relacionada à articulação do estacionamento com o sistema viário existente e a intervenções de melhoria no fluxo de tráfego e no entorno da área do estádio. Já a segunda obra é de requalificação e identificação de caminhos de ligação entre o porto, os estacionamentos e a Arena Fonte Nova, inclusive em estações de metrô.

Não são apenas esses dados que geram dúvidas. Ainda segundo o Portal da Transparência, as obras de mobilidade não começaram a ser executadas — mesmo estando listadas na atualização de dezembro da Matriz de Responsabilidades e sendo consideradas obras de prioridade. Segundo informações do site o dinheiro ainda não foi nem mesmo contratado. Já em relatório elaborado pelo Deputado Romário e pelo Consultor Legislativo do Senado Federal, Alexandre Sidnei Guimarães, divulgado em abril, consta que a previsão de conclusão das obras seria em janeiro e fevereiro deste ano. Contrariando os dois documentos, a assessoria da Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur) nos informou que o dinheiro já foi contratado e que as obras estão em andamento, mas não enviou informações mais detalhadas até o fechamento da reportagem.

As obras no entorno da Arena Fonte Nova foram adicionadas à Matriz de Responsabilidade após uma revisão realizada em dezembro do ano passado. Na primeira versão do documento, de 2010, estava prevista para Salvador a construção de três corredores de BRT, orçados em R$ 567,7 milhões. O motivo da alteração também não foi esclarecido pela Sedur.

Saiba mais sobre essa série de reportagens

Reportagem

Anna Cláudia Pinheiro, Ingred Souza, Luís Cunha e Natália Ferraz

Etapas desta publicação

Proposta
Desenvolvimento

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *