Mudança visual da paisagem da av. Antônio Carlos

Pauta de: Danielle Pinto, Gabriela Terenzi, Patrícia Silveira

FOCO: A Avenida Antônio Carlos vem passando por uma série de obras nos últimos cinco anos, pelo menos,  e isso vem trazendo mudanças na paisagem urbana daquela região como, por exemplo, as constantes mudanças dos pontos de ônibus, a mudança da paisagem provocada pelo plantio de árvores no entorno da avenida e as intervenções artísticas urbanas, como o grafite. O foco da nossa matéria são as principais intervenções que alteraram a paisagem da Antônio Carlos e como a população é afetada por isso.

FONTES:

Rafael fernandes

Tem 25 anos e mora no Liberdade,  a 3 quarteirões da Antônio Carlos, desde que nasceu.

Celina Borges Lemos

Professora da escola de Arquitetura da UFMG. Tem experiência na área de Antropologia Urbana, com ênfases em Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo, Cultura Urbana, Conservação e Revitalização do Patrimônio, atuando principalmente nos seguintes temas: arquitetura, artes, estilo, cultura, estética, cinema, centralidades, serviços e paisagem cultural nas regiões metropolitanas.

Maria Luísa Magalhães Nogueira

Possui mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004). Atualmente é professora assistente da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social e Psicologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, cidade, favela e subjetividades. É doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia/UFMG.

Marília Fátima Dutra de Ávila Carvalho

Professora da UEMG, doutoranda em Arquitetura na UFMG. Produziu o trabalho “Educação patrimonial: o desafio oferecido pela reurbanização da Avenida Antônio Carlos”.

Dereco Machado

Artista gráfico, já ministrou oficinas de intervenção urbana na Antônio Carlos, além de já ter feito muitas intervenções na avenida, coletivas e individuais.

Lygia Santos

Ex-aluna do curso de Comunicação da UFMG, realizou um curta sobre a Av. Antônio Carlos como TCC. À época, a diretora fez uma campanha pedindo à população imagens amadoras que eles tivessem da via. O resultado é um ensaio que mescla imagens de arquivo de telejornais brasileiros com cenas gravadas por meio de celulares. A história é construída coletivamente, ao mesmo tempo em que revela a relação pessoal da diretora com a avenida.

PERGUNTAS CENTRAIS:

Quais foram as principais intervenções que alteraram a paisagem da Avenida Antônio Carlos? Como os moradores da cidade se relacionam com mudanças na paisagem urbana?

ABORDAGEM:

– Para morador da região

Sugestões de perguntas:

1.     Que mudanças são mais aparentes e com que frequência você as percebe?

2.     Qual foi a mudança mais significativa ou que teve mais impacto na sua ida até agora?

3.     Qual a sua opinião sobre a relevância dessa obra?

4.     Você considera as mudanças na Avenida um transtorno? Se sim, ele vale a pena pelo resultado final? (você sabe qual é o resultado final?)

5.     Conte alguma situação engraçada/curiosa sobre o modo como as mudanças na avenida afetaram diretamente sua vida

Para urbanista

Sugestões de perguntas:

1.     Quando uma obra de longa duração, como a da Avenida Antônio Carlos, é planejada, é pensado o impacto que ela terá na vida das pessoas durante o seu desenvolvimento? Existem dispositivos para tornar a vida das pessoas que terão que conviver com a obra mais agradável?

2.     No caso da Avenida Antônio Carlos, que constantemente passa por intervenções, isso pode gerar algum prejuízo à identidade da avenida na paisagem urbana da cidade?

3.     De que maneira as mudanças de paisagem afetam a vida das pessoas? O simples mudar as árvores de lugar gera impacto na vida de moradores e comerciantes?

4.     Os impactos na paisagem podem ser sentidos pelo comércio da região? De que maneira?

–  Para artista urbano

Sugestões de perguntas:

1. Você associa a constante mudança na paisagem da Avenida Antônio Carlos à elevada quantidade de intervenções artísticas urbanas? Isso pode significar um resgate de uma identidade perdida?

2. Existe alguma relação entre grafite e protesto? Essa arte pode estar se manifestando sobre os problemas e demandas da região ou esses mesmos traços poderiam estar em muros de qualquer região da cidade?

SITES DE REFERÊNCIA:

www.bhtrans.pbh.gov.br

http://aczine.wordpress.com

7 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *