Nova identidade visual do Banco Inter

Na primeira parte, entendemos melhor como funciona o Banco Inter e tivemos uma visão geral de como foi esse processo do rebranding. Nessa segunda parte, resolvemos fazer um recorte e focamos na nova Identidade Visual, desde a conceitualização até a construção.

Um antes e depois da marca

Já se falava em uma inconsistência de marca dentro do Banco há algum tempo. A imagem e a sensação transmitida para as pessoas da cidade, através da sua identidade visual, arquitetura do prédio e posicionamento não era condizente com os valores mantidos pela instituição. O crescimento exponencial da marca não condizia com a visão arcaica que era transmitida através do seu antigo logotipo. Com forte presença do preto e dos tons de cinza (apesar de já conter o laranja como cor auxiliar em algumas aplicações) o logo representava muito do posicionamento do antigo Intermedium.

Ao se transformar no primeiro banco totalmente digital do país, essa cara de instituição financeira, não fazia mais sentido. Séria e enrijecida, a identidade visual foi substituída por uma mais condizente com o novo momento. Utilizando do laranja e deixando o cinza muito mais sóbrio e leve, como uma segunda cor, o branco começou a ganhar mais força, que agora aparece em mais aplicações. Um gradiente vindo de tons de laranja também foi escolhido para acompanhar uma estética mais atual e está presente tanto no logo quanto em backgrounds.

A tipografia é mais descontraída e brinca mais com as formas e cortes, muito diferente da antiga, que era serifada e bem uniforme. O arredondamento aparece para trazer o conforto e a parceria, um pilar importante para a instituição. Já a seriedade e a segurança, que deveriam estar presentes na identidade visual, por se tratar de um banco, são transmitidas pela fonte bastonada grossa.  

Testes, mudanças e escolhas

Falando um pouco como se deu tudo isso, a princípio, o banco iria passar por uma reformulação total de nome e logotipo que se adequaria ao rebranding que já estava em curso, se desvinculando totalmente da marca Intermedium. Uma empresa paulista foi contratada para pôr em prática o desejo dos diretores em traduzir tudo o que o banco é, e o que ele gostaria de ser. Porém, havia algum tipo de ruído entre a empresa e a agência. Após inúmeras tentativas, a falta de identificação com os trabalhos propostos foi iminente. Então, profissionais de design que trabalham no setor de marketing do banco, passaram a criar opções em paralelo à agência. O nome Inter já era usado em redes sociais como um apelido carinhoso, e foi uma mudança natural com o intuito de continuar a bonita história da instituição.

Assim sendo, depois de muito trabalho em pouco tempo, Edgar Santos e Rafaella Figueiredo, apresentaram duas versões para os diretores da empresa que elegeram pontos positivos de cada um. Então eles juntaram esses pontos positivos e apresentaram novamente uma última versão do logo do banco, que foi aprovada e enviada à agência. Depois de tanto trabalho, a agência refinou e aprimorou o que tinha sido construído, sem mudar os conceitos trabalhados pela equipe.

É interessante ver como, em nenhum momento, o passado foi simplesmente jogado fora. Foi uma mudança significativa, mas conseguimos ainda ver elementos que unem as duas identidades, como o laranja, o nome e todos os conceitos presentes.

No geral, o que eles buscavam era um meio termo entre a transparência, a parceria e a simplicidade que o digital traz, aliado a segurança e a experiência que o banco tem em sua história.

Aplicações

 

 

Nenhum texto alternativo automático disponível.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *