Obras na Avenida Presidente Antônio Carlos causam desapropriações de diversas famílias

PAUTA DE: Anna Carolina Zenatelli, Anna Luísa Silveira, Júlia Del’Papa Berlini e Thays Lorrana Maciel

FOCO: Pretende-se com esta matéria abordar as implicações causadas pelas obras na Avenida Presidente Antônio Carlos, sob a perspectiva das famílias desapropriadas. Objetiva-se demonstrar quais foram os impactos sofridos por quem teve de se mudar, quais foram as formas de indenização, se estas ocorreram, e para onde foram deslocadas essas famílias.

ABORDAGEM: A partir de entrevistas com as famílias e com a URBEL, construir um texto que atenda aos objetivos propostos, que são mostrar os impactos causados pelas obras no que concerne às famílias desapropriadas. Pode-se registrar em vídeo os depoimentos das famílias para que sejam utilizados como complementos da matéria e, também, mostrar em mapas quais foram os locais mais impactados e onde moravam as famílias desapropriadas.

FONTES: Pedro Veríssimo – assessor de imprensa da URBEL (Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte)

– Edirany de Almeida Soares – teve sua casa desapropriada

– Maria Marlene Aparecida Caetano

– Heloísa Soares de Moura Costa (UFMG) / Ex-Presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ANPUR)

Obs.: Fontes indicadas pelo assessor Pedro Veríssimo. Convém checar as opiniões e tentar conseguir mais opções de fontes com os próprios moradores indicados.

PERGUNTAS CENTRAIS:

Para Pedro Veríssimo:
1. Como foi a reação das famílias que foram desapropriadas?

2. Quais medidas foram tomadas para que os impactos fossem os mínimos possíveis?

3. Quais benefícios as obras trazem, tendo em vista a grande quantidade de impactos que trouxeram?

PERGUNTAS SECUNDÁRIAS:

Para as famílias e também para Pedro:
1. O que mudou nas vidas dessas famílias?

2. A indenização foi paga? Quando? Quanto?

3. Havia real necessidade da desapropriação?

4. A prefeitura conseguiu abrigar todas as famílias desapropriadas?

Para Heloísa:
1. Como as famílias se sentem ao deixar suas casas?

2. Por que as desapropriações são necessárias para a modificação do espaço urbano?

3. Como lidar com as famílias desapropriadas? Como fica o espaço urbano com essas desapropriações?

4.  Por que é importante planejar as obras e minimizar os impactos sofridos pelas famílias?

SITES DE REFERÊNCIA:
Reassentamento de famílias desapropriadas, Portal da Prefeitura de BH

Demolições em ritmo acelerado, Secretaria do Estado de Transportes e Obras Públicas

Fotos da obra, Flickr

5 comments

  • Camila Braga

    Ei, gente! Eu também gostei muito da pauta e gostaria de usá-la para o laboratório de textos X, se o Leandro topar ser minha dupla!

  • Júlia Berlini

    Olá, pessoal! Podem pegar a pauta, sim. O objetivo de publicá-la aqui é que os alunos possam desenvolvê-la. =)

  • Miriam Santos

    Oi pessoal, gostei da pauta! Faço a disciplina “Laboratório especializado em mídias e linguagens” e gostaria de pegá-la para me aprofundar na produção de uma matéria. Pretendo dar um enfoque desse tema, porém, com contribuições em relação ao que a mídia regional online (jornais, portais, sites oficiais e blogs) veiculou e como veiculou abordagens a respeito. Tudo bem para vocês? O material será organizado em um storify.

  • Carlos Dandrea

    Ok, grupo, a pauta adquiriu uma angulação interessante a partir do contexto que discutimos. Vocês não conseguiram alguns dados básicos sobre as desapropriações (total de famílias, locais mais atingidos etc)?

    O link do primeiro site de referência está errado (igual ao segundo), ajustem isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *