Os modelos vivos no ensino e na prática da arte

PROPOSTA +

[ Descrição do processo ]

FOCO: Mostrar o papel e a importância dos modelos vivos no ensino da arte, a partir do que é feito na Escola de Belas Artes da UFMG, e resgatar sua relevância histórica na prática da arte.

FONTES:

  • Professores que têm usados modelos vivos em sala de aula na Escola de Belas Artes/UFMG;
  • Pessoas que têm servido como modelos vivos em disciplinas da EBA;
  • Pesquisadores do tema;
  • Pesquisa bibliográfica e fontes na internet.

ABORDAGEM:

Através da apuração e pesquisa junto às fontes antes citadas, queremos mostrar qual é o papel e a importância desses modelos vivos no ensino da arte. Eles chegam a ficar numa sala de sala posando até três horas.  Essa matéria pode se desdobrar, talvez, num perfil de um desses modelos vivos.  Além disso, a matéria sobre a relevância deles no processo de ensino-aprendizagem servirá para resgatarmos a importância que esses modelos tiveram/têm na prática da arte, quando posavam, por exemplo, para pintores famosos. Para mostrar esta evolução, pretendemos fazer uma linha do tempo.

PERGUNTAS CENTRAIS:

Qual a importância de um modelo vivo em sala de aula? O que eles fazem?  Historicamente, eles sempre foram utilizados em sala de aula?

Quem costuma ser/servir para o papel de modelo vivo? É preciso ser ator ou pode ser um cidadão comum?

Há diferenças significativas entre modelos vivos usados em sala de aula e os que servem para a prática da arte? São perfis diferentes?

Houve mudanças históricas significativas em torno desses modelos vivos? Quem  eram as pessoas que serviam como modelo vivo antigamente e quem serve hoje?

Equipe

Bruna Sobreira e Terezinha Silva

Etapas desta publicação

Desenvolvimento
Produto

9 comments

  • Geane Alzamora

    Meninas,
    boa pauta, mas seria interessante indicar fontes, apresentar contatos e especificar abordagensdiferenciadas das entrevistas. Nota: 4/5
    Geane

  • Luana Assis

    Oi meninas!
    Parabéns pela escolha! Muito interessante o assunto! Talvez seja válido explorar na conversa com esses modelos sobre as técnicas que eles usam. Concordo com a ideia do David, curiosidades enriquecem a matéria.

  • Clarice de Oliveira

    Achei interessante o tema, não vejo esse assunto na mídia e ele é realmente curioso. Acho que vocês devem usar como fonte também algum estudante que participa ou participou de alguma disciplina que usa esses modelos vivos, para que ele possa compartilhar a experiência!

  • Ana Mazeo

    Meninas, a escolha do tema foi boa. É um assunto bem diferente e, por isso, sugiro que vocês explorem, além do papel, o que são os modelos vivos, como isso surgiu, fazendo um resgate histórico.
    Talvez valha a pena também verficiar se outras insituições, além da UFMG, utilizam modelos, como isso é feito, etc.

  • David Ribas

    Achei o tema de vocês interessantíssimo, bem diferente e chamativo. Sugiro apenas que vocês tentem falar um pouco mais do uso desses modelos vivos na UFMG, procurem descobrir histórias ou particularidades curiosas do curso de Belas Artes com relação ao uso de modelos vivos. Abraço!

  • Terezinha Silva

    Oi Amanda,

    Agradecemos os comentarios, principalmente no que se refere aos padrões da apostila. Não consegui revisá-la antes da postagem, por problemas de conexão, mas farei isso agora.

    Com certeza, as imagens estão previstas e serão fundamentais em nosso trabalho, tanto que previmos possivelmente um perfil e uma linha do tempo, onde esperamos poder explorá-las bastante. Só não mencionamos isso na pauta.

    Quanto ao comentário sobre o título, é difícil ainda fazer algo chamativo para o leitor se nem nós mesmas temos ainda muita informação sobre o tema. Vamos ver o que nos dará a apuração…

  • Amanda Jurno

    Ah, mais uma questão!! O título está apenas informando, acho que vocês poderiam fazer com que ele também despertasse a curiosidade do leitor.

  • Amanda Jurno

    Olá meninas, primeiramente peço a vocês que se atenham aos padrões estabelecidos na apostila. A pauta de vocês não segue quase nenhuma das exigências apontadas no material. Outra coisa importante, são apenas TRÊS tags por postagem. Sugiro que vocês dêem uma lida na apostila e reformulem a pauta.

    Outra questão, tratando-se de arte vocês têm em mãos um material imagético riquíssimo que vocês não souberam usar para enriquecer a pauta. Cadê as imagens? Porque não colocar um vídeo mostrando o que é um modelo vivo? Pensem nisso.

    A ideia da pauta é muito boa e sugiro que prestem bastante atenção durante a apuração para aproveitar as oportunidades de criar uma matéria diferenciada.

    Peço que prestem atenção a uma modificação na apostila: agora a assinatura deve ser a primeira coisa a aparecer no post. Como foi uma confusão de informações, consertei o post pra vocês.