Relatório de desenvolvimento “Economia, homicídios e população: estes fatores estão ligados?”

Relatório de Desenvolvimento – Laboratório de Criação Digital

Grupo: Laura Ribeiro, Lucas Sangi, Lorena lima, Matheus Rabelo, Samuel Andrade

A análise de dados sobre a violência no Brasil são muito frequentes. Diferentes abordagens são utilizadas, e as mais frequentes relacionam-se com questões econômicas e sociais, mas é raro ver uma abordagem que incorpore dados macro demográficos, em específico, população. Poucas vezes vê-se analises de cunho jornalístico acerca da porcentagem populacional de um estado junto com dados de violência. Para a elaboração do trabalho foi utilizada a fonte de dados do site http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2013_jovens.php. Nele encontra-se diversos dados a respeito da violência em municípios com mais de vinte mil habitantes, com um relatório bem elaborado que teve como foco questões de gênero e de raça/cor das vítimas. Primeiramente pensamos em desenvolver uma análise macro relacionada a todos os 26 estados brasileiros, buscando verificar a relação entre população e homicídios. Pretendíamos apurar se a quantidade percentual de pessoas de um determinado estado estava, ou não, relacionada com a porcentagem de homicídios, considerando o todo. Para isso pensamos em fazer um paralelo de qual porcentagem da população brasileira um estado representa e a porcentagem dos homicídios este mesmo estado representa do total. Esta primeira abordagem mostrou-se problemática por ter muitos dados sem a existência de paralelos coesos e concisos para um produto mais crítico e específico. Ao elaborar o gráfico não seria possível distinguir ou até mesmo analisar o que foi proposto já que eram muitos os dados referentes a todos os 26 estados. Outro problema era a abordagem tão direta entre população e homicídios, pois faltava dados socio-econômicos para fazer uma ponte ou um recorte específico entre os dois.

Ao análisar esses detalhes problemáticos da primeira pauta/proposta e os comentários dos colegas, decidimos fazer um recorte mais preciso, mas ainda mantendo uma análise de dados macro demográficos (população). Selecionamos os estados que possuem dados extremos de PIB per capta, e este dado serviria como solução para o problema de uma conexão de cunho sócio econômico que faltava na primeira proposta de pauta. Assim, selecionamos os 5 estados com maior e os 5 estados com o menor PIB per capta no ano de 2011, de acordo com o IBGE (http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/images/2522_3643_173712_106392.gif). Eles seriam hierarquizados do maior para o menor. Os outros dados seriam extraidos do relatório do site “Mapa da Violência”: d tabela da página 32 do relatório (http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_homicidios_juventude.pdf) obtivemos a taxa de homicídios por cem mil habitantes referente ao ano de 2011, e calculamos a porcentagem representativa de cada estado específico relacionada a população brasileira de acordo com a tabela http://www.mapadaviolencia.org.br/tabelas2013/2013_total_alfab.xlsx. Dessa forma, analizaríamos se existe alguma relação entre PIB per capta, e homicídios, verificando o tamanho comparativo da população daquele estado.

Primeiramente vimos que o Distrito federal possui um PIB per capta altíssimo, talvez por ter um baixo número de habitantes, visto que São Paulo é o Estado com o maior PIB. Outro dado interessante é que o Espirito Santo também possui o terceiro maior PIB per capta e é o segundo em violência dos estados analizados. A média da taxa de violência entre os 10 estados analisados é de 37,15, e que o PIB per capta não difere muito os estados na análise de homicídios. Santa Catarna e Alagoas são os únicos Estados que se polarizam significativamente em PIB e homicídios. Vimos que a análise macro pode generalizar demais as regiões escondendo alguns fatores cruciais, e os selecionados podem não possuir qualquer tipo de correlação direta.

Equipe

Matheus Rabelo, Lucas Sangi, Lorena Lima, Laura Marques e Samuel Andrade

Etapas desta publicação

Proposta
Produto