Somos todos ciborgues

A tênue separação entre o que é humano e o que é máquina parece história de ficção científica. O fato é que os tais ciborgues analisados por Hari Kunzru e Donna Haraway somos nós e as pessoas ao nosso redor. Hoje, com a exceção de tribos isoladas, todas as relações entre pessoas passam por alguma mediação feita através de máquinas, o que potencializa a capacidade de comunicação do ser humano. O vídeo expõe essa realidade de forma bem evidente: a personagem recebe uma mensagem informando que ela está atrasada para a aula, feita com um projetor, pega um elevador (que aumenta a capacidade de locomoção), corre para chegar mais rápido, cai e tem sua queda flagrada por um celular. Imediatamente sua foto é postada e compartilhada no Facebook. Por último aparece outro personagem visualizando a imagem através de um iPad.

Grupo

Aluisio Junior, Estevão Germano, Leopoldo Rezende e Ligia Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *