Vale a pena ser voluntário?

PAUTA +

Fernanda Lacotix e Jennifer Gonçalves

Matéria: Vale a pena ser voluntário?

Repórter: –

Tema:

O trabalho voluntário na Copa das Confederações.

Histórico e Resumo:

Durante a convocação dos voluntários muito se falou na importância dos mesmos na construção do evento internacional, que na época era bem avaliado pela maioria dos brasileiros e muito propagandiado pelo governo como sendo importante para o Brasil. Além disso era alimentada a perspectiva para os participantes de que seria importante para a carreira deles (independente de qual seria) pois seria um momento de contato com pessoas diversas e de culturas diferentes.

Segundo dados do Portal da Copa, do total de 5.652 voluntários trabalhando na Copa das Confederações, 2.223 são homens (57%) e os outros 2.429 são mulheres (43%).  A maioria tem entre 16 e 25 anos (39%), seguida por aqueles com 26 a 40 anos (38%), depois os com 41 a 60 anos (20,5%), entre 61 e 64 anos são 1,5% e os com mais de 65 anos representam 1%.

O Rio de Janeiro é a sede com o maior número de voluntários com 1.299, seguida por Brasília com 990, Belo Horizonte com 921, Salvador com 900, Fortaleza com 813 e Recife com 729.

No decorrer do processo de consolidação do evento houve uma mudança de sentimento dos brasileiros. Muitos passaram a ter uma visão negativa da FIFA e dos eventos promovidos pela mesma, tendo ocorrido várias manifestações contra problemas no Brasil que envolveram as políticas da FIFA para permitir o Brasil sediar o evento. Alguns voluntários desistiram de participar e outros permaneceram.

Havia diferença do voluntário FIFA para o voluntário do Governo (programa chamado Brasil Voluntário), tanto em relação às tarefas, como aos brindes e suporte. Muitos acreditavam que iriam ter contato com pessoas estrangeiras ou fazer contatos, porém o que se viu é que grande parte fizeram tarefas mais simples (como segurar placa informativa) e/ou não tiveram nenhum contato com estrangeiro.

Proposta:

Mostrar as diferenças de um voluntário FIFA e um do Governo, levando em conta as razões e expectativas de trabalhar em um evento desse porte. Usar personagens para ilustrar a matéria mostrando quais são as dificuldades encontradas e se a satisfação foi alcançada.

Perguntas:

Gerais
– Quantos voluntários eram? Fifa? Governo?
– Qual era a expectativa de números de voluntários inscritos?
– Quantos desistiram? Quais as principais alegações?
– É relevante para o mercado de trabalho se a pessoa participou deste tipo de trabalho voluntário?

Voluntários FIFA
– O que leva a pessoa a se voluntariar neste tipo de evento?
– As pessoas que participaram estão satisfeitas?
– Quais as tarefas e recursos para cada voluntário?

Voluntários Governo
– O que leva a pessoa a se voluntariar neste tipo de evento?
– Quais as tarefas e recursos para cada voluntário?
– As pessoas que desistiram se candidataram por que e por qual motivo desistiu?

Recursos de linguagem
* Fotos dos personagens
* Foto do evento
* Infográfico com dois bonecos demonstrando as diferenças entre FIFA e Governo (nesse estilo http://www.easel.ly/create/?id=https://s3.amazonaws.com/easel.ly/all_themes/vhemes/geeks/&key=pub)

Dados:

– Lei da Copa:/
Art. 57.  O serviço voluntário que vier a ser prestado por pessoa física para auxiliar a FIFA, a Subsidiária FIFA no Brasil ou o COL na organização e realização dos Eventos constituirá atividade não remunerada e atenderá ao disposto neste artigo.
§ 1o O serviço voluntário referido no caput:
I – não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim para o tomador do serviço voluntário; e
II – será exercido mediante a celebração de termo de adesão entre a entidade contratante e o voluntário, dele devendo constar o objeto e as condições de seu exercício.
§ 2o A concessão de meios para a prestação do serviço voluntário, a exemplo de transporte, alimentação e uniformes, não descaracteriza a gratuidade do serviço voluntário.
§ 3o O prestador do serviço voluntário poderá ser ressarcido pelas despesas que comprovadamente realizar no desempenho das atividades voluntárias, desde que expressamente autorizadas pela entidade a que for prestado o serviço voluntário.
Art. 58.  O serviço voluntário que vier a ser prestado por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou instituição privada de fins não lucrativos, para os fins de que trata esta Lei, observará o disposto na Lei no9.608, de 18 de fevereiro de 1998.

Certificado de participação pela UNB:
De acordo com especialistas em recursos humanos e seleção profissional, participar de uma Copa ou de uma Olimpíada, mesmo com a curta duração desses eventos, pode ser um atributo bastante valorizado por um empregador. Algumas das características mais procuradas na seleção de um funcionário – como a versatilidade, a desenvoltura, a habilidade para lidar com o público e a capacidade de se adaptar rapidamente a novas situações – costumam são ligadas à figura do voluntário de um megaevento. Isso sem falar nas lições práticas que é possível aprender ao acompanhar de perto uma empreitada tão complexa e monumental quanto uma Copa.

– Total de 5.652 voluntários para a Copa das Confederações. E em média foram 99 mil inscritos.

– As desistências chegaram a 30% do total de candidatos.

– Para a Copa do Mundo de 2014, cerca de 130 mil pessoas se inscreverem, de onde serão utilizados apenas 15 mil.

– Os voluntários podem chegar a trabalhar até 10 horas por dia durante 20 dias.

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=8kGQdQdLDfg#t=73
Video explica o programa Brasil Voluntário.
O Brasil Voluntário, programa de voluntariado do governo federal, foi criado para atender a Copa das Confederações 2013 e a Copa do Mundo 2014. É gerido pelo Ministério do Esporte e contará com a participação dos ministérios da Defesa, do Turismo, da Cultura, da Ciência e Tecnologia, da Casa Civil, das Relações Exteriores, do Trabalho, da Educação, da Saúde, da Justiça, do Planejamento, Orçamento e Gestão, além da Secretaria de Aviação Civil. A atuação dos voluntários será integrada com o programa de voluntariado da Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa) e funcionará como uma ampla rede de mobilização social que irá atender aeroportos, áreas de fluxo, pontos turísticos, festas públicas, Fan Fests, entre outros, dando suporte ao público-alvo de atendimento, que são os torcedores, a imprensa não credenciada, os turistas e a população em geral.

http://pt.fifa.com/worldcup/organisation/volunteers/news/newsid=2168347/index.html
“A seleção é composta por diversas fases, algumas presenciais, outras online, sendo obrigatória a aprovação em todas elas. Após a inscrição pelo site pt.fifa.com/voluntarios, o candidato passará por dinâmicas de grupo presenciais, treinamento geral online, entrevistas individuais, testes de inglês e treinamento específico.”

– Etapas de do processo de seleção dos voluntários:
http://pt.fifa.com/worldcup/organisation/volunteers/news/newsid=2168895/index.html

– A importância dos voluntários:
http://pt.fifa.com/worldcup/organisation/volunteers/news/newsid=2121621/index.html

– Informações gerais:
http://pt.fifa.com/worldcup/organisation/volunteers/news/newsid=1567690/index.html
“O trabalho voluntário é por natureza um trabalho sem remuneração. Por conta disso, não haverá pagamento de nenhum tipo de salário ou ajuda de custo para hospedagem. Porém, visando não gerar ônus, o COL e a FIFA irão fornecer os uniformes, um auxílio para o deslocamento até o local de trabalho (dentro da sede) e alimentação durante o período em que estiver atuando como voluntário.”

– Uniformes: agasalho, duas camisas, uma calça, uma mochila, um par de tênis, três pares de meia e um boné. Todos fabricados pela Adidas, parceira da entidade.

– Foto do uniforme:
http://voluntarioscopa2014.wordpress.com/2013/09/07/uniforme/

– Comunicado do COL sobre desistências:
“É comum, em qualquer grande evento, ocorrerem casos isolados como esse. Por esse e outros motivos como eventuais desistências por motivos pessoais de força maior, o Comitê Organizador Local (COL) trabalha com contingência de uniformes e um número maior de voluntários que o necessário para garantir o sucesso operacional do evento. Com o objetivo de reduzir ao máximo a ocorrência de desistências, o COL, como é de praxe por parte de qualquer comitê organizador de grandes eventos, implementa ainda um programa motivacional durante todo o processo de seleção até o fim do torneio”.

– “Segundo o representante da Federação Nacional das Empresas de Serviços e Limpeza Ambiental, Erminio Alves Neto, o Brasil deveria dar exemplo ao resto do mundo no sentido de acabar com o uso de trabalho voluntário na Copa do Mundo, principalmente nos países mais pobres. Na opinião dele, o Poder Público trata de maneira diferente a Fifa e as companhias nacionais. “As empresas no Brasil são cobradas demais pelo Ministério do Trabalho e pelo Ministério Público para registrar os funcionários, e ainda temos de competir com os produtos da China. Não é justo que uma entidade que tem um lucro absurdo, como a Fifa, não pague sequer os salários para 18 mil trabalhadores e a empresa brasileira seja fiscalizada violentamente pelo Estado”, argumentou.”
“Por sua vez, a secretária de Inspeção do Ministério do Trabalho, Vera Lúcia de Albuquerque, defendeu a legalidade do trabalho voluntário na Copa. Apesar disso, ela assegurou que a fiscalização estará atenta para evitar que os voluntários sejam explorados e acrescentou que o ministério pretende entrevistar esses cidadãos para “ver se não foram iludidos, se não pensavam que estavam assinando um contrato de trabalho formal”.
Retirados de:
http://www.portal2014.org.br/noticias/10166/GOVERNO+E+EMPRESARIOS+DISCORDAM+SOBRE+VOLUNTARIADO+NA+COPA.htm}l

1 comment

  • Carlos d'Andréa

    Ótima pauta!!
    Lá no documento interno, faltaram os contatos dos alunos que foram voluntários! O ideal, aliás, é que eles indiquem outras fontes, para não viciar a matéria (não é bom jornalista ser fonte…).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *