Vou de carona

Ir para a beira da estrada, acenar com o dedo polegar e, no máximo, segurar uma plaquinha com o nome da cidade destino. Essa era a maneira tradicional de se pedir carona. No entanto, diversas ferramentas que podem auxiliar nesse processo têm surgido. Grupos no Facebook destinados a oferecer e pedir carona vêm se multiplicando. Diferente de quando a carona é pedida na estrada, nesses grupos há uma taxa a ser paga para o motorista que oferece o transporte. Em alguns casos, os moderadores e membros das páginas chegam a desenvolver um sistema de regras envolvendo valor máximo para as taxas e para fazer críticas positivas ou negativas aos motoristas, de forma que os próximos caroneiros possam ter referências. Conversando com algumas pessoas que costumam pegar carona, percebemos que a principal razão para aderir à prática é a economia, mas, além disso, outro ponto de destaque é a interação social. Cada viagem é uma história. Algumas cômicas, outras românticas, e até mesmo trágicas. Diante desse fato e dessa pluralidade de acontecimentos que envolvem as viagens, serão contadas aqui algumas dessas histórias vivenciadas sobre quatro rodas, pelas estradas brasileiras e internacionais.

Reportagem

Adélia Oliveira, Marina Dayrell, Thaiane Bueno e Melissa Neves

Etapas desta publicação

Proposta
Desenvolvimento